DigitalizaçãoDRHs

Digitalização: “Empresas e DRHs devem concordar em inovar e, portanto, cometer erros”

Como parte da nossa semana digital especial, pedimos a opinião de três especialistas em digital e/ou recrutamento sobre o futuro dos empregos na web, em parceria com o IFOCOP . Quem vai recrutar nos próximos anos? Em que tipos de empresas? Como entrar na página quando você é candidato? Hoje, temos o prazer de receber Thomas Chardin, fundador e CEO da Parlons RH , agência editorial e de marketing digital para players de Recursos Humanos e Gestão.

Thomas-Chardin-Parlons-RH-240x240.jpg
Thomas-Chardin-Parlons-RH-240×240.jpg

Existe algum tipo de empresa em particular que recruta profissionais da web hoje, ou todas elas estão preocupadas? Gostaríamos de responder “todas” a esta pergunta, mas a realidade é outra. Vários parâmetros entram em jogo, para começar, o tamanho. Não acho que as VSEs ou mesmo as PMEs tenham esse tipo de preocupação atualmente, sem querer generalizar. Empresas desse tipo que conheço não dão a mesma importância à web que ETIs e grandes empresas. Não podemos falar de exclusão digital, é mais gradual do que isso dependendo do tamanho das estruturas, mas as pequenas empresas, ou seja, a maioria do tecido econômico francês, são pouco afetadas. No entanto, eles não cobrem a maioria dos empregos.

O outro critério diz respeito ao setor de atividade. É desta vez muito variável! Em uma ESN de 100 funcionários, a web obviamente estará muito presente. O mesmo vale para consultorias ou serviços de alto valor agregado. Isso não acontece em todos os setores, longe disso.

A maturidade também é diferente dependendo das estruturas…

Grandes empresas geralmente puxam o mercado em uma série de tendências e conceitos que entram em jogo. Atualmente, a maioria das grandes empresas e ETIs tem conhecimento desse assunto, e essa conscientização é muito rápida. Em 2012, quando o Parlons RH foi lançado, as redes digitais e sociais não eram uma preocupação para o RH. Hoje, não há uma conferência ou evento de RH em que esse assunto não seja central. Essa preocupação amadureceu, portanto, muito rapidamente, principalmente nas grandes empresas, mesmo que nem sempre tenhamos as respostas nas organizações para as perguntas feitas.

Acha que o número de cargos em causa continuará a crescer rapidamente nos próximos anos?

Por um lado, há o amadurecimento do assunto e, por outro, as posições em questão. As empresas têm fortes necessidades e não necessariamente encontraram as soluções para seus problemas. Então eu acho que isso vai continuar. A primeira questão foi saber por que se posicionar no digital. A segunda é como chegar lá! Há necessidade de talentos e habilidades para acompanhar esse duplo questionamento, no meio do qual nos encontramos atualmente. Também exige que as empresas e os DRH façam uma forte mudança cultural, voltem-se para “testar e aprender”, concordem em inovar e, portanto, aceitem cometer erros. A maioria das organizações ainda não está pronta para estar errada.

digitalisation-600x400.jpg
digitalisation-600×400.jpg

Vamos ver uma evolução nas profissões em demanda, em resposta a essa crescente maturidade e essa mudança gradual na cultura corporativa? As profissões de hoje evoluirão para outras coisas de acordo com a mudança de objetivo das empresas e dos DRH?

De fato, as profissões tendem a evoluir muito, tão rápido quanto a reflexão avança. Tenho necessariamente um prisma distorcido em meu trabalho, pois apoio empresas e DRHs que estão fazendo perguntas sobre seu marketing e posicionamento digital. Sinto, portanto, uma forte expectativa em termos de evangelização interna de equipas, profissões de consultoria, transformação digital e diagnóstico, sobretudo em e-reputation. A famosa posição de Chief Digital Officer corresponde bem a esses temas, mas logicamente deve deixar de existir em alguns anos. Ele obviamente tem uma abordagem muito transversal para colocar a empresa em movimento, mas se ele fizer bem seu trabalho, ele rapidamente cortará o galho em que está sentado. Seu objetivo é permitir que a empresa passe sem ele o mais rápido possível!

Quais são as profissões do futuro?

Para mim, as profissões que servem para fomentar conversa e visibilidade, atrair o candidato, reter o funcionário ou vender em BtoB e BtoC, serão de capital importância. Eles são usados ​​para alimentar a contação de histórias, para editorializar… Editor web, gerente de conteúdo, gerente de comunidade, SEO… A demanda deve aumentar porque essas são habilidades-chave. Isso deve representar muitas posições. As conversas não serão autogeradas, alguém precisará animá-las e alimentá-las. E você terá que ter sensibilidade real e experiência na web. Um jornalista que acessa a web não é necessariamente um bom editor da web, você precisa de uma compreensão real do meio e das técnicas de escrita associadas a ele. Certas soft skills como curiosidade permanente, vontade de inovar e aprender,

Outro eixo importante será o dos dados. Recolha, acesso, análise, processamento, restituição… Sempre houve estatísticos e profissões nesta área, mas ainda temos muitas novas competências a chegar e que vão exigir profissionais altamente qualificados.

Em termos de diplomas e escolas, para onde vamos?

As profissões evoluem tão rapidamente que a formação não é o único critério que conta. É importante adquirir habilidades teóricas e, portanto, um campo de conhecimento. Mas as habilidades sociais são realmente centrais: maturidade digital, entusiasmo, curiosidade, dinamismo, capacidade de trabalhar em um ambiente em rápida mudança… Muitas habilidades vêm com a experiência. Não se torna especialista com a formação, mas o fato de fazê-lo permite testemunhar um desejo, demonstrar uma visão clara e determinada. Esta é a minha visão, não é o caso de todas as empresas, pois é uma tomada de risco adicional. O peso do diploma em muitas estruturas os incentiva a escolher na maioria das vezes o candidato que possui o currículo relacionado ao cargo.

Do lado do candidato, como desenvolvemos competências para reforçar a sua empregabilidade?

O know-how é importante, por isso deve ser colocado em prática para tranquilizar o recrutador. Qualquer experiência profissional é importante, incluindo o estágio. E, novamente, as habilidades sociais que eu estava falando na pergunta anterior. Temperamento, entusiasmo, vontade, energia… Para se atualizar é preciso ser curioso, estar a par e se interessar pelo seu setor de atividade. É importante e mostra. É um processo de aprendizagem pessoal, juntamente com a capacidade de implementar as próprias habilidades, em particular sendo ativo online.

A reciclagem profissional é um trunfo ou uma desvantagem?

Tive a oportunidade de recrutar várias pessoas em reciclagem que passaram por formação no IFOCOP. Isso me interessa, porque são pessoas que chegam com diversidade. Eles têm uma riqueza, uma experiência profissional que, mesmo que à primeira vista não tenha nada a ver com o que estão se candidatando, pode ser complementar à sua nova posição. As pessoas em retreinamento também demonstram um desejo real, uma sede de aprender, e só pedem a oportunidade de provar isso. Essa diferença me interessa muito.

Na próxima semana, você poderá encontrar um artigo de depoimentos sobre o assunto produzidos em parceria com o IFOCOP , dando a palavra a ainda mais profissionais que darão sua opinião sobre os desenvolvimentos que estão por vir nas profissões da web.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo